Série Amor proibido

por Simon-Poeta

I Antologia "Whisky, Charuto e Poesia"

Clique na imagem e marque presença!

Portal Poesia é Vida

Clique na imagem e visite nosso portal: "um lugar íntegro, pra quem é bem informado."

APP Poesia é Vida

Clique na imagem para baixar gratuitamente nosso APP para dispositivo móvel.

Biblioteca Poesia é Vida

Clique na imagem para receber nossas indicações de leitura.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Lábios de Veludo


Oh! Minha amada,
Meu amor,
És tão delicada,
E de tanto valor...

No teu beiço,
Na tua face,
Vejo resplandecer no espelho,
A tua força de vontade.

Minha vida,
Meu tudo,
Minha querida,
Meu mundo!

Lábios aveludados,
Assim como o avelã,
Que na nossa noite de amor foram marcados,
Assim como nossa vida no ecrã...

No cinema da realidade,
Na novela da verdade,
Mentira não há no nosso amor,
Assim como eu te dou valor.

Meu tudo,
Minha querida,
Minha amada,
Minha vida!



Simon-Poeta

sábado, 7 de setembro de 2013

Oh! Meu Brasil, Minha Pátria...

Oh! Meu Brasil, minha Pátria,
Idolatrada sejas tu, minha terra,
Tão pobre, tão rica,
Tão poderosa, tão humilde...

O Brasil é bom p'ra se viver,
O que nos transtorna,
É porque nossa paciência entorna,
De ver tanta decepção...

Pátria minha,
Adorada,
Tão pobrinha,
Tão amada.

Só não te ama quem não é gente!
Uma terra com cor e gente quentes,
Não se cansa de dos teus filhos cuidar...

Oh! Meu Brasil, minha Pátria!
Te minha casa, minha morada;
Deus é de facto brasileiro,
Como nosso povo, sempre guerreiro
E batalhas não perdemos,
Pois tudo venceremos,
Com a paz e a união.

Oh! Meu Brasil, minha Pátria!
Tão respeitosa,
Tão curva e sinuosa,
Mas no coração és gigante,
Pela própria natureza,
Que ternura! Que doçura! Que beleza!

Simon-Poeta

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Desisti de Ser Brasileiro

Cansei de hospitais lotados,
Sem médico algum,
Sem bom atendimento,
Não suporto mais sofrer tanto assim,
Saúde do povo é "lixo",
Por isto não suporto tanto desaforo,
Um país em que a copa mundial,
Vale mais que seus habitantes,
Os estúpidos não correm atrás do que precisam,
Na verdade brasileiro nato
Não é aquele que só reclama do país,
É aquele que corre atrás;
Aquele policial que não aceita suborno,
Aquele médico que trabalha no horário certo,
Aquele político que não rouba,
Aquele professor que só ensina coisas boas,
Aquela mãe que dá educação à teu filho,
Aquele pai que o ensina à trabalhar (não o explora)
O avô que ensina o perigo das drogas,
A avó que ensina a neta à bordar e tricotar,
Bons tempos aqueles,
Em que havia respeito,
Todos sabiam que um dia poderiam precisar do próximo.
Pra min, já chega,
Desisti de ser brasileiro...
Mas não posso desonrar minha pátria amada,
Tenho que ir à luta, e agir,
Se eu for preso,
Nada me importa,
Lutei,
Por um país melhor!

Simon-Poeta

Descobre-te

Descobre-te mulher,
Repleta de ternura,
Sustenta se quer,
Uma parte tua;
A vida pra ti,
Sei que foi insegura,
Mas mesmo assim,
Tu me traz toda loucura,
Vivo com seus sonhos,
Sonho com teus planos,
Sinto seus enganos,
Te desejo,
Te sinto;
Tenho medo,
Nunca minto
Á dizer que tu és linda,
Maravilha bela,
Doce Florinda.
Não vivo sem você,
Eu choro por você,
Sonhos, com você,
Loucuras cometo
Somente pra te ver
Feliz em meus braços,
Sonho sempre em te ter,
Sentindo meus abraços,
Por você linda mulher,
Ultrapasso montanhas rochosas,
Para te presentear,
Com um lindo buquê de rosas.
Oh linda capixaba,
Meu amor por ti é imenso,
Nunca se acaba,
Por isso digo mil vezes:
-Te amo, te amo, mulher capixaba!

Simon-Poeta

De Manhã

De manhã acordo,
E procuro você,
Mais não te acho, e no cobertor me enrolo,
E espero você chegar para nossa chama reacender.
Duas horas se passaram,
E nada de você,
Me levanto, mesmo assim, de pensar em você não paro,
Volte! Digo eu, estou sonhando sem querer.
Sou um homem raro,
Que precisa de alguém para amar,
O troco que se paga é caro,
Por nesta vida não sonhar.
Já são duas da tarde,
Continuo aqui na cama,
A solidão me invade,
Só porque você não me chama.
Já está de noite,
E nada de você chegar,
Hoje da cama não saí,
Pensando que você devia me amar,
Mas você não me ama, agora sim percebi.
Enrolado no cobertor,
Não consigo novamente dormir,
Pensando em teu suspeito amor,
Amor falso, que me odeia sim!

Simon-Poeta

Como me Sinto

Quando estou contigo,
Sinto-me uma pantera,
E procuro abrigo,
Neste "campo de guerra".
Quando estou com mamãe,
Fico um pouco retraída,
Da blusa abotoo todos os botões,
Devo respeitá-la, ela é quem me deu a vida.
Perto de meu pai,
Fico calada,
Apesar de que ele é brincalhão,
Perto dele não dou uma se quer risada,
Magoado diz ele: _Não se preocupe, sou bonachão!
Perto de minhas amigas,
Fazendo tricô,
Elas são minha vida,
Por elas sinto amor.
Todos eles preenchem espaço em meu coração,
Mas você eu amo mais,
Não se preocupe com traição,
Teu amor me satisfaz.

Simon-Poeta

Chocolate Quente

O frio que você sente,
Posso amenizar;
Não com canecas de chocolate quente,
Mais sim com meu jeito de amar.
O meu calor quando te vejo aumenta,
Então de repente, quando te percebo,
Meu interior inventa
Um novo jeito de te amar,
Uma razão pra sorrir,
Um motivo pra cantar,
Uma rosa para florir.
E a lareira á nos esquentar,
Nos ensina o quanto é importante,
A arte de amar,
Amar á todo instante.

Simon-Poeta

As Questões do Ser Humano

Será o homem a criatura mais inteligente de todas?
Será o homem a mais perfeita coisa já feita por Deus?
Será que as desventuras do homem o faz ser depressivo?
Será mesmo que o homem é mais promisco?
Nada disso,
Sei eu responder,
Só sei que São Francisco,
Nos ensinou à ceder...
Bens materiais,
E pessoais também,
Nos restou os espirituais:
Por causa deles não seremos reféns.
Se “a verdadeira face do ser humano”,
Está escondida,
Devemos procurá-la
No cotidiano de nossas vidas...
Se mesmo com extremos canhões
Abalando a terra firme,
Nossos corações,
Continuaram livres.
Se o nazismo nos fazer algu mal,
Restará a história,
Que revelará todo esse caus
Que p'ra sempre se tornará memória...
Oh! Deus!
Será que essa guerra irá acabar?
Ou será que antes disso,
Teremos que nossas vidas dissipar?
Essa é a questão do ser humano,
Os sentimentos obscuros e com danos,
A bomba de Hiroshima,
Desabrochando como rosa,
Aniquilou minha filha,
Que de tão estudiosa,
Foi para lá um futuro ter...
Mas acho que prefiro ser
Aniquilado do que viver censurado!
Deus!
Tome conta de nós,
Precisamos viver,
Se isso então ocorrer,
Não cessará nossa voz, de tanto gritar:
Deus  é bom! Deus é justo! Deus conosco nos fez ganhar!
Mesmo se isso não ocorrer,
E nossa missão se acabar,
Te pedimos,
Oh, Pai!
Deixe alguém para contar!

Simon-Poeta

As Lembranças

As lembranças,
Nos deixam olhar um p'ro outro,
Viver mais um pouco,
Mesmo sem esperança...
Isso sim é lembrança:
Um forte sentimento,
Em todos os momentos,
Do amor que jamais se cansa.
Sei que estás à lembrar de min agora,
Mesmo assim,
Tu és meu querubim,
Te quero, nessa mesmo hora.
Minha vida,
As lembranças nos ajudam,
A recordar o que foi bom, e que todos nos acudam,
Pois amamos sem corrida.
Sem pressa de chegar ao ponto,
Vamos viver sem preocupações,
Com as lembranças embalar nossos corações,
No amor que já vem pronto.

Simon-Poeta

À Você Mãe

Hoje lhe dito esta poesia,
Para que veja o quanto lhe amo,
Quando preciso, és tu que chamo,
Quem sabe isso faz ressaltar tua alegria.
Meu amor por tu é declarado por poemas,
O teu é declarado por tuas acções,
Nós conhecemos nossos corações,
E não deixamos nos desfazer os dilemas.
Minha vida,
À você ofereço todo meu ser,
Apesar de ser crescido ainda quero amar você,
Minha querida.
Minha diva,
Minha paixão,
De criança à adulto sabe meu coração,
Tu és minha vida.
Nasci de você,
Às vezes não,
Mas o importante é tê-la em meu coração,
Tu sabes de min, e eu sei de você.
Meu amor raríssimo,
Minha querida "mãe terráquea",
Quando criança não deixava-me chegar perto de uma faca,
Teu amor, lindo amor caríssimo.
Santa mãe querida,
És meu coração,
Minha melhor sensação,
Minha "mãe preferida".
Ah, queria eu então,
Ser criança novamente,
Para então plantarmos mais sementes,
Para brotarem em nosso coração.
Nascemos grudados,
Só por isso jamais nos separaremos,
E então cantaremos,
Para o nosso amor guardados.
À você mamãe,
Minha querida zeladora,
Não precisa ser de sangue,

Basta ser 'amadora'!

Simon-Poeta

A Roseira

Como a roseira que cresce em meu jardim,
Te amo! Te adoro!
Você é tudo pra min,
Mais uma vez te imploro,
Seja minha!
Volte para min.
Preciso de você minha "princesinha",
Você sabe que eu sou assim.
Seja minha roseira,
Volte para meu jardim!
Fique aqui a tarde inteira,
E quando ela se acabar, cuide de min,
Em frente à lareira.
Minha vida,
Meu tudo,
Minha paixão;
Me iludo!
Vivo assim,
Cuidando do jardim que você plantou,
Em meu coração
Apenas tristeza deixou,
Vivo assim, com esta emoção!

Simon-Poeta



A Realidade (Nua e Crua)

Que maravilha será pois então,
Nosso amor sem fim,
Mas pena que isso não existe...
Se na verdade existisse,
Estaríamos tão bem;
Mas pelo bom olho, o que seria de nós sem fins trágicos?
Bendito Edgar Allan Poe,
Que nos ensinou a verdadeira realidade de sermos "maus".
Em tudo, nossas pessoas físicas são doces e generosas,
Mas nossos escritos são tenebrosos e tristes...
Todos sonham com uma vida feliz,
Sem nenhuma barreira;
Ah, que pena dessas pessoas,
Tudo é à base de "trancos e barrancos".
Mas será que se não houvesse coisas más,
Esstaríamos evoluídos como estamos hoje em dia?
A realidade nos abre os olhos de que precisamos mudar:
Se lê um texto sobre morte de família,
Irá sentir o que acontece realmente com todos,
E com certeza irá acontecer contigo também;
Mas no mesmo tempo que as más notícias te assustam,
Elas te confortam,
Te deixam ciente do que está acontecendo na realidade.
Esses são relactos reais:
Da realidade.

Nua e crua!

Simon-Poeta

A Maçã Envenenada

Uma maçã,
Não como as outras,
Mas venenosa,
Com pregos e arames,
Tenebrosa...
Ninguém a tocava,
Ninguém a "via",
Ninguém a desejava,
Ninguém a comia.
Jamais imaginávamos,
Que alguém a provaria,
Nem sonhávamos,
Pois o sonho enlouquecia...
A coragem quem teve?
Não é um brusco e forte cavalheiro;
Nem um lutador chinês,
Quem a provou foi uma donzela,
Que envenenada ganhou vida eterna;
E jamais "trouxa" sera!
A menina não morreu,
Os espinhos força lhe deu,
Os outros cavalheiros se arrependeram,
Pois quanta beleza receberam,
De uma menina maluca...
Ela não virou doende;
Muito menos uma bruxa,
Não ficou doente;
Ficou firme,
Isso sim,
Como uma espada de luta.
Ela não se entristeceu,
Mas sim se alegrou,
A tristeza não prevaleceu,
E a risada ficou.
Oh menina imortal,
Quem imaginaria

Quanto bem poderia trazer aquele "mal".

Simon-Poeta

A Luta

Uma flor em uma cidade,
Qual sua chance de sobrevivência?
Nenhuma, mas sua força de vontade,
Era de viver, sem se importar com a carência.
Perseverante,
Lutou até o fim,
Confiante,
Tomou forças e serviu de exemplo pra min.
Logo me coloquei à pensar,
Que coragem,
Preferiu arriscar,
Do que deixar sua vida em desvantagem.
De tanto lutar conseguiu,
Já esmagada pelo estreito asfalto que te prendia,
Foi pisada e esmagada, pois ninguém à viu,

Mas mesmo assim, quanta sabedoria!

Simon-Poeta

A Lua

Como a lua que no céu brilha,
É irradiante seu amor,
A beleza da lua é sua filha,
Mais bela que a lua é só tu, meu penhor.
Minha luz,
Você me inspira;
Teu amor me seduz,
Você é minha querida.
Desde criança nos conhecemos,
Não podemos disso esquecer,
Longe do nosso amor, não vivemos,
Só quero te amar mais e mais, não preciso nem dizer.
Na adolescência,
Ainda não nos separamos,
Resistimos a "carência",
E juntos ficamos.
Na fase adulta,
Mesmo com os problemas,
Mesmo na hora da labuta,
Vencemos os dilemas.
Agora estamos já com idade avançada,
Olhando a lua novamente,
Sentados na calçada;
Expondo o que passa em nossa mente.
Sempre vivemos juntos,
Nunca nos separamos,
Mesmo na hora do luto,
A dor superaremos...
Temos ainda muita coisa pra aprender,
Mas o tempo impede;
Não temos nada à perder,

Vamos viver, com as preocupações, não se apegue.

Simon-Poeta