segunda-feira, 30 de junho de 2014

Sentimentos: o amor é sadomasoquista


Eu sei bem o que pensas.
Mas pra ser sincero, às vezes penso que sabes pouco acerca de mim;
Não sei se estou certo,
Bem, nem sei o que sinto por você lá no fundo...
Eu sei que gostas do meu beijo,
Do meu corpo,
Do meu ser.
Sei também que o meu ser
Não é somente o que você pensa:
Existem labirintos,
Corredores...
Portas e janelas ocultas que jamais foram descobertas por homem algum.
Sou muito mais que o menos que estás acostumado a dizer que ama.

Sou amor,
Sim, sou ele mesmo.
Sou eu.
....................................................................................

É tão diferente o que sinto por você.
Sério...
Às vezes me pego te amando,
Outrora, te odeio.
É complicado sentir, não é?
....................................................................................

Não sei se és quem eu penso,
Mas penso que és, como eu, diferente.
É verdade. És, de fato, diferente.

Ainda és leigo no amor...
Sinto isso.
Mas o amor é leigo;
Até hoje não conheço alguém que não tenha levado pancadas amorosas.
Não conheço, de fato.
O amor é pra ser sofrido.
Sim, parece meio sadomasoquista,
Mas na verdade é.
O amor é sadomasoquista.
Abusa do poder que tem
—abusa até de mais—
E se faz de coitado depois.
Bate, maltrata, corrói
o coração de quem ama
ou ao menos pretende amar...

É, o amor é mesmo complicado...

Mas, mais complicado que o amor, são os sentimentos,
Acho que é por isso que chamam o amor de sentimento...
Êh, coisinha complicada...
Às vezes me pergunto:
—Por que é que não somos robôs?
Ouve-me calado
e sai sem direção.
Acho que você pensou que não te amo...
Mas te amo sim;
No fundo, no fundo,
Ou até no mais raso do meu ser
Meu amor por ti é perceptível,
Só você não vê.

Simon-Poeta

Sua Opinião:

0 comentários:

Enviar um comentário